América Latina Perde Investimentos

(Alpha Test) A economia mundial cresce, mas esta fase de alta do ciclo não se traduz em maiores investimentos na América Latina e o Caribe. De pouco adiantou a elevada liquidez nos mercados internacionais —depois de frouxas políticas monetárias em todo o mundo desenvolvido— e os lucros das grandes empresas, claramente em ascensão. O investimento estrangeiro direto (IED) na região caiu em 2017 pelo terceiro ano consecutivo, para 161 bilhões de dólares (632 bilhões de reais), de acordo com dados divulgados quinta-feira pelo braço das Nações Unidas para o desenvolvimento econômico da região, a CEPAL. É 3,6% menor que em 2016 e o valor ficou 20% abaixo do de 2011, quando atingiu o pico. A queda média oculta, no entanto, que o fenômeno não foi generalizado nem homogêneo: embora 12 países tenham registrado aumentos no IED no ano passado, os dados negativos do Chile (-48%), Brasil (-9,7%) e México (-8,8%), três das maiores economias do subcontinente, pesaram no resultado final.

O ano verdadeiramente duro para a América Latina e o Caribe foi 2016. Em 2017, no entanto, a economia da região retomou o crescimento, com um aumento de 1,3% no PIB.

O ano verdadeiramente duro para a América Latina e o Caribe foi 2016. Em 2017, no entanto, a economia da região retomou o crescimento, com um aumento de 1,3% no PIB. Mas isso não foi suficiente para recuperar os números de IED negativos registrados nos dois anos anteriores. Ainda assim a queda no investimento na América Latina e no Caribe é consideravelmente menor do que a média mundial (3,6% versus 23%). Boa parte do declínio do investimento nos últimos cinco anos tem a ver com o barateamento das matérias-primas —ainda que parcialmente revertido em 2017—, o que diminuiu o investimento em indústrias extrativas em toda a região. “Não há mais nenhum apetite por este setor”, ressaltou a secretária-executiva da CEPAL, Alicia Bárcena, durante a apresentação, na Cidade do México, do estudo O Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e no Caribe.

América Latina perde investimento estrangeiro pelo terceiro ano consecutivo América Latina foca no turismo para fortalecer sua economia
América Latina perde investimento estrangeiro pelo terceiro ano consecutivo BC reduz expectativa de crescimento do PIB neste ano de 2,6% para 1,6%
América Latina perde investimento estrangeiro pelo terceiro ano consecutivo Mauricio Macri declara guerra ao aumento do dólar
O Chile foi o mais atingido por essa queda no preço dos produtos básicos e, principalmente, do cobre: passou de receber investimentos de 30 bilhões de dólares (118 bilhões de reais) em 2012 para menos de 6,5 bilhões (25,5 bilhões de reais) em 2017. A outra face do problema foi o Brasil, imerso em uma recessão da qual mal consegue erguer a cabeça. Entre 2015 e 2016, o PIB do Brasil caiu de 7% e desde o pico de investimento alcançado em 2014, com 97 bilhões de dólares (381 bilhões de reais), o gigante sul-americano perdeu mais de 27 bilhões de dólares (106 bilhões de reais) em entrada de novo capital estrangeiro. Como na região e, no conjunto, o crescimento de 1% registrado no ano passado no gigante brasileiro ainda não serviu para reverter os efeitos negativos do colapso.

No México, a segunda maior economia da América Latina, o investimento estrangeiro diminuiu quase 9,9% em 2017, um ano especialmente complicado pela retórica protecionista de Donald Trump. No entanto, apesar das ameaças contínuas do presidente dos Estados Unidos, o sangue não atingiu o rio: o Acordo Norte-Americano de Livre Comércio (TLC) —do qual dependem 80% das exportações e um terço do PIB mexicano— continua em vigor e os investidores não perderam sua confiança no país. Nem sequer as empresas do setor automotivo, as mais ameaçadas no cenário projetado por Trump, reduziram sua aposta no México: as perdas de investimentos estão concentradas em setores como o de químicos e o de bebidas, enquanto o IED no ramo manufatureiro, muito mais valioso e estável, continua dominante.

A exceção do Cone sul-americano foi a Argentina, que passou de receber investimentos de 3,26 bilhões de dólares (12,8 bilhões de reais) em 2016 para mais de 11,5 bilhões (45,2 bilhões de reais) em 2017, um aumento superior a 253%. O salto é explicado, fundamentalmente, pela nova abertura econômica estabelecida pelo Governo de Mauricio Macri no ano passado. “A Argentina volta ao normal”, disse Bárcena. “O que acontece é que houve um período em que nada veio de IDE: não é que o fluxo seja muito alto, mas se recupera em relação ao ano anterior.” O outro país que completa o quinteto dos principais da região, a Colômbia, registrou um nível de investimento estrangeiro direto praticamente estável em relação ao ano anterior. A executiva da Cepal valoriza a capacidade das autoridades colombianas de diversificar o investimento recebido, muito menos dependente do setor petrolífero do que no passado.

Contudo, a agência das Nações Unidas para o desenvolvimento econômico vê um horizonte de boas oportunidades na América Latina e no Caribe, e destaca que os investimentos em recursos naturais e serviços desde 2011 caíram 63% e 11%, respectivamente. “Mas no setor de manufaturas aumentaram ligeiramente. Essa recomposição dá oportunidades para concentrar os investimentos nos sectores com mais capacidade de promover mudanças estruturais e de desenvolvimento sustentável na região, um processo que deve ser acompanhado por políticas que apoiem o desenvolvimento de capacidades nos países receptores”, diz a CEPAL.

Os principais responsáveis pelo IED na América Latina continuam sendo os EUA e, sobretudo, a Europa, que já representa mais de 40% dos novos investimentos na região. “Os investidores europeus se dirigiram para a indústria (produção), e não só compraram empresas na região”, enfatiza Bárcena. “O mercado interno da América Latina está tornando-se mais dinâmico e isso é muito atraente para eles.” Desta vez, a Cepal destaca a importância do Velho Continente para o subcontinente, em plena negociação de um acordo comercial com o Mercosul e alguns meses após a assinatura do novo tratado com o México. Por outro lado, o peso da China cai por dois fatores: as crescentes restrições em muitos países e, acima de tudo, a mudança nos planos estratégicos de Pequim, que em 2017 olhou com muito menos afinco para o exterior do que no ano anterior.