Rússia, Alemanha, França e Turquia se reúnem para debater situação síria

Maria Tsvetkova e Can Sezer (Agência Reuters) (Alpha Test)

4 MIN LEITURA

Istambul, Turquía (Reuters) (Alpha Test) – Líderes de Rússia, Alemanha, França e Turquia se reuniram neste sábado em Istambul para um encontro sobre a Síria, palco nesta semana de conflitos no único reduto rebelde remanescente, o que realçou a fragilidade do acordo para evitar uma grande ofensiva do governo.

A Turquia, que apoia há tempos os rebeldes que tentavam derrubar o presidente sírio, Bashar al-Assad, além da Rússia – principal aliada externa do mandatário – desenharam no mês passado o acordo para criar uma zona desmilitarizada na região de Idlib, no noroeste do país.

A cidade e regiões adjacentes formam o último reduto dos rebeldes, que se insurgiram contra Assad em 2011. Cerca de 3 milhões de pessoas moram na região, sendo que mais da metade delas fugiram de outros locais, hoje controlados pelo governo.

Bombardeios em Idlib mataram pelo menos sete civis na sexta-feira, no dia com mais vítimas desde o fim dos ataques aéreos russos, em meados de agosto. As informações são de um monitor que acompanha a guerra.

O presidente russo, Vladimir Putin; a chanceler alemã, Angela Merkel; o presidente francês, Emmanuel Macron; e Erdogan devem se reunir em Istambul neste sábado. Putin conversou com Macron e Erdogan antes do encontro.

O enviado da ONU (Organização das Nações Unidas) à Síria, Staffan de Mistura, que deixa o cargo no fim do próximo mês por razões familiares, também participará da reunião.

O acordo do mês passado estabeleceu que a Turquia e a Rússia criariam uma zona desmilitarizada de 15 a 20 quilômetros dentro do território rebelde, que deveria estar livre de armamentos pesados e combatentes jihadistas.